sexta-feira, 19 de agosto de 2011

CRIAIS AQUILO EM QUE VOS CONCENTRAIS



Sessão 2083
“Vós Criais Aquilo Em Que Vos Concentrais”
“Aceitação e Reforço da Confiança”
Quinta-feira, 31 de Julho de 2006 (Privada/Telefone)
Participantes: Mary/Michael e Jens/Samira)
(Tempo de Chegada do Elias: 32 segundos)
Tradução: Amadeu Duarte

ELIAS: Boa tarde.

JENS: Bom dia, meu amigo..

ELIAS: (Ri) Que é que vamos discutir?

JENS: Necessito de bastante encorajamento da tua parte. Tudo bem, comecemos antes de mais com uma série de perguntas da parte de (...) Faz dois anos ou dois anos e meio que ele tem vindo a passar por imensas dificuldades com relação ao dinheiro e à sua situação profissional e ele pergunta-me se não podia pedir algum tipo de sugestão concreta – não superficial mas concreta – da tua parte.

ELIAS: E de que situação se trata?

JENS: A situação é que ele tem tentado realizar determinados objectivos na vida, mas sem sucesso. Obtém uma oferta de trabalho e assim que começa a trabalhar, a oferta é anulada e ele é... recusado. Ele já passou inúmeras vezes por essa situação e já começou a... (Inaudível)

A aceitação é chave em tudo o que referiste mas ele já tentou tudo sem saber de que modo chegar a uma solução.

ELIAS: Antes de mais, vou dizer-te, uma vez mais, que vós criais aquilo em que vos concentrais. E concentração não significa necessariamente atenção. Isto é importante porque a vossa concentração constitui um factor determinante no modo como a vossa energia é dirigida. Portanto, se o indivíduo se achar continuamente a concentrar-se na carência, e estiver constantemente a expressar uma energia de oposição com relação a si próprio, isso projectará uma energia que dará lugar à criação das exactas acções que o indivíduo não deseja.

Nesse sentido, e a título de exemplo, se um indivíduo incorporar (por sistema) a associação de não possuir dinheiro, ele haverá de expressar esse mesmo tipo de energia e dará lugar à criação de falta de dinheiro, porque é nisso que ele se concentra, e portanto, isso passa a ser o que ele cria. E cria continuamente situações e cenários por meio dos quais não consegue realizar nada. Isso continuará a reforçar essa energia porque aquilo que o indivíduo está a fazer é, por assim dizer, provar a si mesmo não ser capaz de criar o que quer que pretenda criar.

Aquilo que se torna factor chave nessa situação é interromper tal concentração e gerar a atenção num sentido diferente; portanto, a chave indispensável para a alteração desse tipo de ciclo consiste em começar a reconhecer as realizações criadas a cada dia, de modo a interromper a projecção duma antecipação com relação ao futuro; parar de mover a atenção na direcção do passado e de repetir processos de pensamento associados a falhas e deslocar essa atenção para o presente e nesse presente começar a reconhecer de forma genuína toda e qualquer realização que tenha lugar a cada dia, a despeito do que ela possa ser. *

Tenho consciência de que, ao expressar-me nestes termos continuamente, isto faz com que os indivíduos inicialmente pensem lá consigo que o que digo é demasiado simplista e não servirá de qualquer ajuda. E a razão porque inicialmente se expressam nesse sentido deve-se a que, em termos gerais, o indivíduo se tenha deixado oprimir numa tal extensão, e tenha reforçado esse ciclo com uma tal intensidade que não consegue compreender objectivamente de que modo a implementação deste tipo de acção poderá alterar-lhes a situação, mas na verdade altera. Cada um deve criar um ponto de partida. Tenho consciência de que a maioria desejaria que eu expressasse algum milagre ou experiência que pudessem implementar e por meio da qual vissem as suas situações imediatamente alteradas. Mas, na verdade, deve ser o próprio indivíduo a alterar a sua energia. E quanto mais gerardes uma energia (consciência) de oposição a vós mesmos mais gerareis experiências indesejáveis e de desconforto, e mais reforçais o papel de vítima.

A maneira através da qual o indivíduo será capaz de interromper isso e mudá-lo consiste em começar a reconhecer de forma activa toda a realização que cria a cada dia. Ter consciência e observar sempre que gera esta acção de pensar, porque isso pode tornar-se prejudicial; porque pensar de forma excessiva (cismar) pode reforçar a energia de oposição, conforme tive ocasião de expressar anteriormente. Ao gerardes esta acção de deslocar a vossa atenção para o pensar excessivo, aquilo que ocorre é que adoptais o mecanismo do pensar de modo inadequado, o que pode afectar seriamente, por ser igualmente capaz de associar comunicações emocionais que não se acham ligadas o momento.

Assim que o mecanismo do pensamento começa a assumir a forma de repetição também estabelece comunicações de informação emocional passadas ou anteriores e isso pode, do mesmo modo, afectar o indivíduo, imobilizando-o. Nesse sentido, torna-se importante observar quando a atenção se desloca de modo acentuado para o pensar e esse pensar começa a ser expressado sob a forma de repetição de informação, e desse modo deter e interromper esse padrão. Porque isso influencia o indivíduo a permanecer imobilizado bem como a depreciar-se e a reforçar a associação de não conseguir realizar...

JENS: O que se assemelha ao mesmo tipo de situação por que passei nos últimos meses, ao expressar veemente resignação e através do que, a impressão que colhia era a de me achar muito perto do desenlace...

ELIAS: Sim.

JENS: Certo.

ELIAS: Permite-me que te diga, meu amigo, que o pensamento consiste num mecanismo objective bastante efectivo e eficiente que todos vós possuís. Todavia não passa dum mecanismo e só é capaz de funcionar adequadamente no modo para que foi destinado por meio de toda a informação que lhe proporcionais; e se não lhe proporcionardes informação renovada ele passa-se automaticamente para o modo de funcionamento de repetição da informação; começa a exprimir a tradução relativa à informação que já contém, a qual pode não ser exacta em associação com o que ocorre de modo actual e não vos possibilita nenhuma nova tradução de informação, porque também não lhe é possibilitada ou propiciada nenhuma outra, devido a que a vossa atenção se ache centrada no próprio pensamento ao invés de se conceder qualquer recepção do novo.

Isso pode tornar-se - para o referir nos termos do que vos é familiar - bastante destrutivo, por vos poder gerar dificuldade nos movimentos; pode tornar-se desmotivante, pode imobilizar-vos, pode tornar-se opressivo e chegar mesmo a afectar a consciência do organismo físico e influenciá-la a funcionar mal.

Jens: Certo.

ELIAS: É por essa razão que é importante compreender o mecanismo do pensamento e fazer uso dele do modo que deve ser feito, e reconhecer o quão destrutivo se pode tornar quando o indivíduo se encontra repetidamente a cismar por largos períodos de tempo. Também é importante prestar atenção ao que estais actualmente a fazer em termos materiais porque isso vos possibilita uma renovação da informação e vos permite reconhecer de um modo mais claro o modo como projectais energia e criais as situações que não desejais ou que são desconfortáveis.

Se estiverdes a projectar uma energia de derrotismo ou de comparação, ou de defesa, essas são todas formas de energia de oposição. E ao continuardes a opor-vos continuais a dar lugar à criação de situações de desconforto. Agora; um outro factor determinante que é igualmente expressado por muitos – tanto por ti como também por esse outro indivíduo – prende-se com o dinheiro. A contínua associação da falta de dinheiro em quantidade suficiente; essa associação torna-se na expressão ou percepção subjacente de não possuirdes nenhum dinheiro.

Torna-se significativo prestar atenção a isso porque, ao continuardes a gerar essa associação de “insuficiente” ou “nenhum” vós conferis solidez à energia e ao projectá-la desse modo vós gerais mais dificuldades na criação de dinheiro. Já tive ocasião de expressar por diversas vezes, junto de muitos indivíduos, que o dinheiro consiste numa das manifestações materiais mais fáceis de criar e digo-te, tal como o fiz a eles, que até mesmo aquele que percebeis como desempregado, destituído de meios ou com muito poucas posses que vós percebeis como um sem-abrigo, é capaz de obter a cada dia dinheiro com pouco ou nenhum esforço, enquanto que muitos daqueles que possuem um emprego pendem para essa percepção de não ter dinheiro ou de possuir muito pouco. E à medida que continuam a reforçar isso, a cada dia que passa, também continuam a criá-lo.

Isso consiste no exemplo da concentração. Não é que o indivíduo esteja realmente a todo o instante atento ao dinheiro, em termos factuais; nem devido a que esteja a todo o momento a pensar nele mas porque se estabelece uma contínua associação e uma concentração constante no “pouco” ou na total falta dele. Essa concentração cria uma robustez de energia que reforça continuamente energia de oposição em si mesmo e isso irá reforçar a contínua depreciação das capacidades do indivíduo – o que leva a que ele expresse não ser capaz de realizar, razão porque é importante que interrompa essa concentração. E o modo pelo qual podeis começar a interrompê-la consiste em reconhecerdes aquilo que realizais, a despeito do que possa ser.

Ainda que não passe do reconhecimento de vos permitirdes sentar numa cadeira e não empreender coisa nenhuma, ao invés de se esforçarem por actuar unicamente com o fim de expressar algum tipo de produtividade. Não importa de que tipo de realização se trata. O que importa é que seja reconhecido e aceite. Ao procederem desse modo isso começará a reforçar a confiança em vós próprios, de que na realidade realizais e de que possuis capacidades de realização do que quer que queirais, e isso deterá essa associação automática de não poderdes ou não virdes a consegui-lo.

JENS: Muito bem, obrigado. Alturas houve em que consegui expressar um maior reconhecimento e uma maior aceitação e apreciação das... (Inaudível) Recordo-me de te ter perguntado, em Viena, durante a sessão de grupo, qual seria a altura em que poderia voltar a experimentar isso de novo e tu disseste-me que o tempo aproximado para eu expressar esse potencial seria de dois anos ou menos, em razão do que na altura eu me encontrava a criar. E eu expressei... (Inaudível) Aceitação ainda que só por um momento, e depois esqueci o que aconteceu. O que foi que fiz...? (Inaudível)

ELIAS: Trata-se duma questão de prática, meu amigo, e de prestarem atenção genuína, pois é bastante fácil deslocarem-se para expressões familiares e projectar a vossa atenção no futuro ou no passado, esquecendo-se de prestar atenção ao momento e de terem sentido de presença. Expressar um genuíno sentido de presença em vós próprios por meio do qual vos tornais agudamente cientes do que estais a fazer e de qualquer processo que estejais a empreender em qualquer altura. É fácil deixar-se mover por esse piloto automático e deixar o comando. E podeis notar isso precisamente quando gerais alguma atitude desconfortável, todavia toda e qualquer experiência desconfortável que gereis, ela não ocorreu meramente nesse momento.

Deu-se todo um acumular de energia que produziu esse tipo de resultado, pois isso é o que todos fazeis. Vós adoptais processos. Não prestais atenção necessariamente ao processo que empreendeis. Só observais quando produzis um resultado e ele pode não ser aquele que desejaríeis. Mas deu-se um processo que produziu um resultado. E nesse sentido, quando deixais de prestar atenção a qualquer processo que adopteis, deixais de conduzir o barco, e se não vos encontrardes no leme, ele pode colidir com um icebergue.

JENS: (Ri)

ELIAS: É por esta razão que se torna importante prestar atenção ao que actualmente estais a fazer e àquilo com que vos ocupais. Todos vós concebeis uma ideia ou uma intenção daquilo que quereis em termos dum resultado para qualquer situação e em qualquer cenário. Não é necessário continuarem a concentrar-se no resultado e isso pode mesmo impedir-vos os movimentos na realização desse resultado, pois ao deixardes de prestar atenção ao processo também deixais de dirigir, e ao deixardes de dirigir deixeis de orientar com precisão o que quereis, e nisso uma das direcções que todos desejais é a de criar de forma intencional aquilo que quereis na vossa realidade e saberem que o estão a criar. E isso pode ser realizado de forma bastante simples se prestardes atenção ao que estiverdes actualmente a fazer.

Como exemplo, um exemplo bastante simples, digamos que vos coloqueis numa carroça. Podeis achar-vos no topo duma pequena colina sentados numa carroça. Movimentais o corpo de forma a fazer a carroça deslocar-se e ela começa a rolar pela encosta abaixo. Lá no fundo da pequena colina situa-se um penedo enorme. Agora; se não prestardes atenção à forma como conduzis a carroça ela seguirá na direcção que calhar! Vós achais-vos dentro dela e desse modo ireis para onde ela for. Mas se não prestardes atenção à condução da carroça pela encosta abaixo, é bastante provável que, dependendo do modo como deslocais o vosso peso na carroça, ela venha a colidir com o penedo. E com isso podeis mesmo magoar-vos.

Jens: Hum hum.

Elias: Mas nesse processo vós tínheis consciência do penedo se situar na vossa frente, lá no fundo da encosta. Tínheis consciência de que a carroça estava a rolar. Tínheis consciência de que podíeis deslocar o peso do vosso corpo de forma a poder voltar as rodas em diversas direcções e também estáveis cientes da significativa probabilidade de colidirdes com o penedo. Mas, ao deixardes de segurar a manivela que dirige a carroça vós permitis que ela colida. A vossa intenção pode ter sido a de evitar o penedo mas ao deixardes de prestar atenção à descida não evitais o acto de colidir com a rocha. È tão genuinamente simples quanto isso. Contudo, nessa simplicidade, torna-se difícil, por requerer que se preste a tenção ao que estais a fazer, bem como ao tipo de energia que projectais, porque aquilo que projectais também atraís a vós.

Se projectardes falta (carência) criareis carência; se projectardes oposição a vós próprios havereis de atrair esse tipo de energia e situações: Se estiverdes constantemente a depreciar-vos havereis de atrair a vós situações em que sereis depreciados. Nesse sentido, se projectardes a vossa atenção para o penedo, se estiverdes a projectar a vossa atenção para o resultado e não prestardes atenção ao processo, torna-se bastante provável que venhais a criar precisamente aquilo que não desejais.

JENS: Aquilo que não compreendo é; se por um lado creio ter descoberto tantos aspectos ou tantas verdades centrais sobre mim mesmo, muitos e variados aspectos acerca da minha imagem pessoal; eu acabei por reconhecer quantas expectativas criei acerca de mim próprio. E, se consegui sair-me bem nessa vertente, como será que ao mesmo tempo deixo de prestar atenção? Tenho dificuldade em entender isso. Se não tivesse dado atenção não teria criado um movimento desses nem teria criado... (Inaudível) Eu não teria descoberto tantas coisas acerca de mim próprio, com relação às minhas preferências e àquilo que realmente quero. Penso ter dado um grande passo em frente, mas por outro lado criei tanta... (Inaudível)

ELIAS: Eu compreendo, e reconheço o quanto proporcionaste em termos de informação bem como o movimento que geraste. Aquilo que te estou a expressar é que tu prestas atenção a ti próprio em determinadas direcções ao passo que noutras já não prestas. Podes ter prestado atenção e reconhecido algumas das verdades centrais, e isso é significativo e louvável pois pode possibilitar-te uma significativa informação e proporcionar-te muito mais leveza nos teus movimentos, pois és capaz de reconhecer quando te opões aos teus princípios e quando o não fazes. E podes escolher deslocar-te por meio de expressões que não se oponham aos teus próprios princípios, o que gerará muito mais comodidade naquilo que fizeres. Mas há igualmente acções que tomas no dia-a-dia por meio das quais não te fazes necessariamente presente nem prestas necessariamente atenção ao que fazes.

JENS: Não poderás dar-me um exemplo? Em que direcção...? (Inaudível)

ELIAS: Posso.

JENS: Eu estou a fazer muitas coisas de forma automática.

Elias: Certo.

Jens: Mas mesmo que o faça, mais tarde tento descobrir o que se passou de forma a preparar-me para a próxima vez em que voltar a cometer esse mesmo acto de forma automática.

ELIAS: Sim, e eu reconheço-te isso, porquanto é uma atitude louvável de assumir que te permite maior clareza com relação ao que estiveres a fazer. Não te digo que te devas tornar intensamente consciente de toda a acção que adoptes mas que te faças presente porque nessa presença podes aperceber-te sempre que criares uma acção que não possua um estado de espírito de presença e isso poder deslocar-te numa direcção que contribua para uma energia que não desejas. Posso-te dizer que és capaz de observar, durante o dia, a existência de alturas em que estás a interagir com a tua companheira. Podes estar a discutir algum assunto e não te achares presente.

Jens: Hum hum.

Elias: Estás a projectar por antecipação ou a projector a atenção e a concentrá-la na tua companheira ou nas expressões que assume ou no que ela faz, sem teres consciência do que estás a fazer, e se fosses interrompido, a resposta que darias com maior probabilidade deveria ser: “Eu não estava a fazer nada. Estava simplesmente a discutir com a minha companheira; estava a atender àquilo que ela estava a dizer. Estava a expressar a minha opinião sobre o assunto.” Estarás consciente do tipo de energia que estavas a projectar? Não! Estarás ciente do que realmente estavas a fazer? Não! Podes estar ocupado com um dos teus filhos. Ou eles podem interrogar-te sobre qualquer coisa enquanto empreendes um outro tipo de acção. Podes estar a fazer alguma coisa em tua casa e um dos teus filhos aproximar-se de ti e inquirir-te sobre qualquer coisa e tu podes responder, mas nesse momento podes dar lugar ao aborrecimento devido a teres sido interrompido. Terás consciência de ter gerado esse tipo de energia? Não! Respondes meramente à questão e continuas a gerar a tarefa em que te vias envolvido previamente, qualquer que ela tenha sido.

Nesse momento tu não te encontras presente. Estás a dar atenção a esse projecto em que vês envolvido mas não prestas atenção a ti próprio envolvido no projecto. Tens consciência de que a tua atenção sofre uma distracção devido à pergunta do catraio mas não estás ciente do que estás a fazer nem a ocasionar com a tua resposta. Isto pode parecer simplista meu amigo, mas na verdade ocorrem muitas atitudes destas durante o dia, em que deixas de estar presente e de prestar atenção e por isso não tens consciência do tipo de energia que estás a projectar de cada vez que isso se dá, e desse modo colocas energia nesse contentor hipotético e essa energia acumula-se e torna-se a mesma energia que dá lugar a este tipo de situações ou experiências desconfortáveis ou conflituosas, desmotivantes ou irritantes ou mesmo auto-depreciativas, porque gera uma energia de oposição que não percebes.

JENS: Tenho consciência de expressar com frequência uma energia de aborrecimento devido a que a minha situação actual na vida... (Inaudível) Não tenho vontade de participar em muitas coisas nem em muitas áreas. Prefiro relaxar e obter algum tempo para mim próprio. Mas não tenho tempo, ou não me concedo... (Inaudível)

ELIAS: A questão reside mais aí. Não to concedes por gerares estas expectativas sobre ti próprio. E ao deixares de to permitires geras essa moléstia, e quanto mais moléstia geras mais te opões a ti próprio e mais continuarás a dar lugar à criação de situações por meio das quais te sentes aborrecido. É isto o que estou a expressar tanto em relação ti como ao outro indivíduo; é que vós criais esses ciclos de energia em contínua perpetuação, e quanto mais vos concentrais nessa direcção, mais gerais precisamente o que não desejais e o que é aborrecido e inquietante para vós, porque é nisso que vos concentrais.

Vós sentis-vos continuamente transtornados ou molestados e desse modo projectais esse tipo de energia e criais esse tipo de realidade. Enquanto que, se interromperdes isso - coisa que tu já conseguiste e tens conhecimento de que pode gerar sucesso, pois proporcionaste a ti próprio experiências e evidências da criação de resultados de sucesso - nesse caso torna-se numa questão de continuardes sem vos deixardes resvalar para o modo de piloto automático, situação essa em que deixais de estar ao leme e deixais de ter consciência daquilo que estais a projectar em termos de energia. É uma questão de vos surpreenderdes, por assim dizer, tal como com o exemplo que usei do catraio que te coloca uma questão e com isso te interrompe.

Em notardes que estais a expressar esse aborrecimento; pode tratar-se dum ligeiro aborrecimento e pode ser dotado de maior intensidade, porém, está a ser expressado. E se notardes isso podeis alterá-lo. Porém, se não o alterardes, e ao invés permitirdes que continue a ser expressado de forma repetitiva, perpetuareis e reforçareis essa concentração.

Com isso, se observares podes deter a coisa, e quase instantaneamente avaliar em ti próprio o que estará a gerar esse aborrecimento. E podes interrogar-te: “Estarei genuinamente presente em meio ao que estou a fazer?” A razão porque geras tal aborrecimento deve-se a que não te aches presente naquilo que estás a fazer. Estivesses tu presente e o catraio poderia interromper-te e desviar-te a atenção sem que isso te causasse aborrecimento, pois estarias presente em meio a isso também.

JENS: E por entre outras formas de energia que perpetuamente ou com bastante frequência uso está a auto-depreciação - estou mais do que ciente. Existem tantas razões para me depreciar a mim próprio!

ELIAS: Comparação! Essa é a atitude que comportas com mais frequência. Ao notar que estás a comparar, em meio a qualquer situação, permite-te deteres-te e reconhecer as tuas próprias capacidades. Porque a comparação gera uma energia vigorosa de oposição e isso por sua vez gera uma forte depreciação pessoal, o que se não faz necessário.

JENS: Certo. Eu queria discutir as minhas verdades centrais, as minhas preferências mas não me parece que tenhamos tempo para tanto agora. Tenho o pressentimento de que o tempo... (Inaudível) De algum modo o tempo passou a correr... (Inaudível)

ELIAS: (Ri por entre os dentes)

JENS: Não disponho de tempo, nesta sessão, para colocar todas as perguntas que queria mas tudo bem. Agora, há duas coisas que queria discutir no final. Uma é a minha situação profissional. Também estou consciente de já termos brevemente discutido esta questão da escrita, de que não sei de que outro modo poderia resultar. Ainda me sinto... (Inaudível) Ainda me sinto distante disso. E na actual situação consegui uma oferta de emprego. Isso talvez resolvesse problemas financeiros mas teria que sacrificar o tempo de que disponho para mim próprio. Além disso penso tratar-se duma situação similar àquela da lotaria, há já alguns anos atrás. É uma situação na qual eu poderia descobrir como seria se eu realmente aceitasse esse emprego, ou se seria terrível para mim. Eu não quero mesmo este emprego. Mas, por outro lado, eu devia aceitar.

ELIAS: Ah, o “devia”.

JENS: (Ri) Desta vez...

ELIAS: (Ri)

Jens: Mas o que acontece é que tenho ainda mais dificuldades com esta coisa da carreira, a qual não vai obviamente na minha direcção. Não na minha intenção. Mas há tantas... (Inaudível) Crenças bastante vigorosas em torno disso. Se eu tivesse uma alternativa. Ou será que não concedo a mim próprio a perspectiva duma alternativa real no momento? Não daqui a dois ou dez anos. É bastante... (Inaudível) Mas tu podias… (Inaudível) Alguma informação que me auxilie.

ELIAS: Lembra-te de que nem todas as tuas opções são do tipo claro e escuro. De modo que podes sempre determinar aquilo que pretendes e dar lugar à tua criatividade e à tua imaginação de forma que isso te permita expressares-te numa direcção mais confortável, e o modo por meio do qual podes conseguir isso consiste, antes de mais, não em perceber cada situação de um modo negativo nem abordando-a pela antecipação do que ocorrerá antes de a aceitares, porque ao gerares esse tipo de projecção de antecipação: “Se aceitar este emprego, deverá ser certo que não disporei do tempo que quero para mim próprio.” Ao gerares esse tipo absoluto de antecipação tu crias um forte potencial porque isso é precisamente o que haverás de criar. Enquanto que, se te deslocares num sentido que tenhas criado, tu estarás a dirigi-la. Desse modo serás capaz de criar nos moldes do que pretendes. Podes criar o dinheiro e podes criar o tempo. Mas se te estiveres a mover nesse sentido com a percepção de que não estás na direcção, então não estarás a dirigi-la, e aí tornas-te vítima desta situação e gerarás desconforto. Todavia tem presente em mente meu amigo, que tu também geraste a oportunidade. Tu atraíste isso na tua direcção.

JENS: O modo como me surgiu esta oferta de trabalho foi bastante estranho. Bem sei que isso é...

Elias: (Interrompendo) E tu podes…

Jens: ...Mas aconteceu o mesmo com a casa e com o meu carro. E com outras coisas. E fui sempre bem sucedido. Mas, por outro lado, há muitas coisas que não consigo imaginar. Tive muitos problemas com a minha imaginação nos últimos meses.

ELIAS: Talvez seja uma oportunidade para retomares a tua imaginação. Tu usaste-a de modo bastante positivo anteriormente e proporcionaste a ti próprio considerável inspiração nessa direcção. Talvez seja benéfico permitires-te retomar a tua imaginação e tornar-te mais divertido...

Jens: Ha, ha, ha!

Elias: ...E com isto, lembra-te também de que na tua avaliação do que pretendes e do que empreendes, te deves permitir relaxar e reconhecer que podes ter atraído isso como uma oportunidade para um desafio, a fim de retomares a tua imaginação e passares para o leme na direcção de ti próprio, ou podê-lo-ás ter atraído a ti a fim de dirigires e enfatizares as tuas preferências.

JENS: Hum hum. E com relação… (Inaudível) Aos surtos de paixão? Estas suaves intimações tão típicas da paixão? Nós discutimos isso numa sessão.

Elias: Sim.

Jens: ...E eu admiti-o mas muitas vezes não me permito expressar essa energia e não me permito criar situações nem expressá-las. Especialmente com relação às preferências.

ELIAS: E isso é capaz de criar uma solidez significativa em termos de energia. Não te permitires expressar no teu movimento natural as tuas qualidades naturais; isso pode constituir um grande impedimento porque ao gerares tantas expectativas com relação à tua pessoa, não te permitindo expressar-te nem a essa paixão com naturalidade, cria uma espécie de barragem na tua energia. Mas lembra-te, essa energia expressar-se-á. Portanto, se te achares a sustê-la e não permitires que flua de modo natural, ela expressar-se-á de algum outro modo.

JENS: É por isso que quero alterar esta situação. No passado depreciei o facto de ter sentido esses surtos mas agora entendo isso melhor e pretendo expressá-los. Talvez eu não tenha descoberto a direcção correcta ou a área para a expressar, ou o meio adequado...

ELIAS: Mas isso também se acha associado às tuas preferências, as quais muitas vezes deixas de te conceder. E isso seria um factor.

JENS: Alguma sugestão para o alterar?

ELIAS: Que observes sempre que hesites em relação às tuas próprias preferências e sempre que notes estar a gerar essa hesitação; que te interrogues do que impedirá de to concederes, e quando encontres uma resposta sobre o que te esteja a impedir, interroga-te de novo sobre a importância desse bloqueio. Quão importante será ele para ti que te permita bloqueares e negares a tua preferência? Poder-te-ás surpreender. Muitas vezes podes estar a hesitar em relação às tuas preferências e à tua expressão natural devido ao hábito e à familiaridade do modo automático. Mas não é necessariamente válido que o que quer que te esteja a impedir de expressares a tua preferência seja realmente importante para ti.

JENS: Sim, vou pensar nisso. Só me interrogo porque motivo será tão difícil para mim. Eu criei tanta coisa interessante, tão fora do comum e tão impossível. E se estou certo de ser observado por biliões de essências e de até mesmo triliões de essências se terem fragmentado de mim e da minha essência. Por vezes eu tenho algumas centenas de focos e logo já disponho de biliões de focos dirigidos a mim e em variadas áreas de forma pouco usual e excepcional mas...

ELIAS: Mas não te permitirás exprimir essa energia excepcional no que fazes, devido a que geres expectativas tão excepcionais de ti próprio.

JENS: (Ri) É verdade.

ELIAS: (Ri)

JENS: (Ri) Por exemplo, com relação ao meu… (Inaudível) Por outro lado, se me acontecem tantas transacções e tenho consciência delas, que... (Inaudível) Tem que existir... (Inaudível) Se possuo biliões de focos futuros então deve poder dar-se uma influência da sua parte... (Inaudível) Por vezes tenho consciência dum pequeno auxílio por parte dum dos focos futuros mas aí a coisa não é o que eu esperava... (Ri)

ELIAS: (Ri)

JENS: ...Em tal situação ou noutras próximas.

ELIAS: Eu estou a compreender mas essas expectativas criam uma espécie de cerca invisível ao teu redor e aquilo que pudesse ser-te proporcionado em termos de suporte é repelido por tal cerca, formada pelas expectativas que expressas em relação a ti próprio.

Jens: Então seria preferível que jamais tivesse notado todas essas ligações e... (Inaudível) E, uma vez mais, deixaria de esperar tanto da minha parte.

ELIAS: (Ri) Mais uma vez demasiadas expectativas com relação a ti próprio!

JENS: (Ri) Tudo bem, mesmo no decorrer desta sessão eu expresso resignação e... (Inaudível)

ELIAS: Tenho consciência disso. Presta atenção meu amigo. Isso é precisamente aquilo que te estava a transmitir. Tu geras uma expectativa e concentras-te num resultado particular, tal como: “Hoje vou ter uma conversa com o Elias e vou tratar este e aquele tema e pretendo debate-los todos no decorrer da sessão.” E a tua concentração desloca-se de tal modo para esse preocupação que tu deixas de tomar parte no processo de conservação.

JENS: Na minha experiência, se eu abrir mão do controle e deixar de exercer controle sobre a situação, as coisas vão de mal a pior, e é por isso que tento controlar.

ELIAS: Coisa que é desnecessária. Mas que é que fazes? Dás lugar ao desapontamento ao invés de permaneceres presente e aceitares aquilo que estás a fazer e a realizar; aceitares o facto de estares a realizar e a teres esta conversa comigo e estares a proporcionar a ti próprio informação válida. Crias um resultado em termos de desapontamento.

JENS: Certo. Muito obrigado.

ELIAS: (Ri) Diverte-te. (Ri para si próprio)

JENS: Por vezes eu consigo. (Ri para dentro)

ELIAS: Estou ciente disso. E tu és bom a criar isso. Por isso te encorajo para que continues. (Ri)

JENS: Tudo bem, muito obrigado.

ELIAS: Estendo-te uma enorme apreciação meu amigo, e um afecto genuíno nesta nossa amizade. (Ri para si mesmo) Continuarei a estar junto de ti e a encorajar-te onde tu deixares de o fazer! (Ri para si próprio)

JENS: Uma última pergunta: se eu escutar a tua voz na minha mente, eu traduzo-a em termos de pensamento, mas de que tipo de comunicação se tratará?

ELIAS: É uma comunicação em termos de energia, a qual é expressa por meio de impressões, que são traduzidas em termos de pensamento.

JENS: Ah, impressões. Certo, eu sou bastante bom com impressões.

ELIAS: És sim. (Ri)

JENS: (Ri) Muito obrigado mesmo e, pois, que deverei dizer mais?

ELIAS: (Ri) Muito bem meu amigo. (Ri para si) Expresso um enorme reconhecimento pela tua pessoa e fico a antecipar o nosso próximo encontro. Mas a despeito disso estarei contigo e projectar-te-ei uma energia de diversão. (Ri por entre os dentes) Para ti, com enorme afecto meu amigo. Au revoir.

JENS: Au revoir.

Nota do Tradutor

* De notar, o paralelo inolvidável que estes termos estabelecem com os modelos holísticos de educação que encorajam a atenção como fundamento da correcta compreensão e realça os aspectos mais “insignificantes”, as pequenas coisas e acções como portadoras de oportunidades de captação numa base da verdadeira aprendizagem, que reside em aprendermos sobre nós próprios, sem fazer de qualquer “método” erigido para esse fim um trampolim para um fim ou resultado mas considerando uma abordagem negativa, ou seja, não considerando os fins em si mesmo, nem os meios com vista à obtenção dos fins, mas utilizando os meios em função de si mesmos, ou como o próprio fim.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

O MATERIAL ELIAS